terça-feira, 18 de agosto de 2009

São Bernardo nas ondas do rádio


Foto: Estúdios da Rádio São Paulo, em 1956. Fotos das rádios do ABC neste tempo, são raras.

Você, habitante de São Bernardo do Campo, faça um teste: Ligue o seu rádio, em FM ou AM, e tente sintonizar uma rádio da cidade. (só valem as “oficiais”)
Ou melhor, busque em sua memória uma rádio oficial de nossa região, você só encontrará em 1570 AM a Rádio ABC de Santo André, pois no resto das freqüências, sintonizamos única e exclusivamente as rádios da Capital Paulista. Parece democrático? Não, lógico que não. Mas nem sempre foi assim.

Nos áureos tempos do rádio, tempos em que a televisão ainda era um artigo de luxo, cada cidade do ABC tinha a sua própria emissora: Em São Caetano, a Rádio Cacique. Em Santo André: Duas emissoras! ABC e Rádio Clube de Santo André. Mas a São Bernardo do Campo, coube o pioneirismo no rádio.

Em 1957, é inaugurada oficialmente a Rádio Independência de São Bernardo do Campo, com o prefixo ZYW-5, prefixo que antes pertencia a uma emissora da cidade Paulista de Capivari. Foi a primeira emissora de nossa região, e com ela e suas parceiras regionais, uma nova geração de renomados radialistas surge em nossa região.

Pela emissora São-Bernardense, a população podia escutar as transmissões esportivas capitaneadas por Rolando Marques (1943-1994), o maior locutor do gênero em nossa região, “A Voz do Grande ABC”. Também existiam as rádionovelas, muito populares antes da “explosão” da televisão no país. As Novelas da Rádio Independência tinham tamanha qualidade, que os criadores das histórias logo seriam cobiçados pelas grandes emissoras da Capital.

Artistas como Adoniran Barbosa, Jerry Adriani, e muitos outros, pisaram nos estúdios da Independência, e do Grande ABC, mais precisamente da Rádio Cacique de São Caetano do Sul, saiu Luiz Lombardi, a famosa voz que é um ícone dos programas de Sílvio Santos até os dias atuais.

Programas como o “Grande Teatro de Emoções”, que popularizou o gênero do “Rádio Teatro”, com peças incríveis escritas por Guido Fidélis e Oswaldo Russi, que mais tarde emprestariam os seus respectivos talentos à Rádio São Paulo. Já pela Rádio ABC de Santo André, ía ao ar aos Sábados, o “Grande Teatro Philips”, com textos de Alves Cabral e Edson Lazari. No fim dos anos 60, as telenovelas colocam fim a “era de ouro” dos “grandes teatros” e das rádionovelas.

O Jornalismo e as grandes coberturas também faziam parte da programação da emissora de São Bernardo do Campo. As Três rádios da região, se juntaram por diversas vezes nos anos 60, formando uma cadeia regional, para transmitir os carnavais das três cidades do ABC, com transmissões feitas diretamente das ruas e dos clubes, onde o povo se divertia na festa de momo.

Isso sem falar na política e na crítica mordaz, muitas vezes anonimamente assinada. Ademir Médici, transcreve para a sua coluna “memória” do Diário do Grande ABC uma delas, que bem relata a situação política de 1958. Assinada por “Cacareco”, nome de um célebre rinoceronte do Zoológico de São Paulo, que fez fama nas eleições, recebendo mais votos do que a grande maioria dos candidatos “oficiais”, o texto diz: “Diadema não pode emancipar-se, de jeito nenhum, porque... já imaginaram se a febre pega também em Rudge Ramos? Valha-me Deus. Arrepio-me só em pensar em tal coisa. Não. Vamos à luta. Um por todos e todos por mim. Vamos falar, gritar, brigar, mendigar o NÃO, pois tenho certeza que os meus cabos eleitorais são capazes, eficientes, são reconhecidos como salvadores das penúrias do povo. Diadema já é nossa, estão esclarecidos que devem ficar com São Bernardo, principalmente agora que falta apenas um ano para eleger-se novo prefeito da cidade." . E Como o próprio Médici conclui: Diadema emancipou-se, tornou-se cidade em uma manobra estranha que comentaremos em outra oportunidade, Rudge Ramos tentou iniciar um movimento semelhante, que não prosperou, e Lauro Gomes elege-se prefeito.

Mais tarde, Edson Danilo Dotto (1934-1997), um dos fundadores do Diário do Grande ABC, inicia a formação de uma cadeia regional de rádio, de propriedade do jornal, convertendo a Rádio Independência de São Bernardo em “Rádio Diário do Grande ABC”. Os potentes transmissores, localizados na altura do Km 17 da Via Anchieta (atrás da Escola Jean Piaget) passam a ser a voz do Grande ABC diante das emissoras da Capital. Mais tarde, bem mais tarde, surge a Diário do Grande ABC FM.

Em 1992, a Diário AM (ex Independência) é vendida a um grupo evangélico. E já por volta de 2001, seus transmissores foram desmontados, e a rádio foi transferida para a Capital. A Diário FM, que ficou famosa graças a transmissão de música considerada “erudita”, mas não clássica, tornou-se Scala FM, foi vendida, e recentemente retornou em outras mãos. A Rádio Clube de Santo André, virou Rádio Trianon, e também foi transferida para a Capital. E a Rádio Cacique de São Caetano, foi transferida para a Legião da Boa Vontade, e também fez as malas rumo a São Paulo. Seus transmissores foram incorporados à Rádio Eldorado AM (estão na Avenida Guido Aliberti, perto do Instituto Mauá) que antes transmitia do Alto da Serra, em São Bernardo, na Estrada Velha de Santos.

A Única que resiste, é a Rádio ABC, que está na Avenida Pereira Barreto, em Santo André. Aos “trancos e barrancos”, ela defende bravamente a mídia radiofônica de nossa região, que antes era tão rica, e agora, é tão massificada pelas rádios da Capital.

Por fim, o ABC também participou, e com louros, da “era de ouro do rádio”.

6 comentários:

Mario disse...

Thiago,
Se não me engano a rádio ABC, a única ainda a manter programação na região, era do mesmo dono da 97FM, outra que migrou para SP e, pelo que vi no site da emissora, hoje pertence a outro grupo.
Hoje morando em Jundiaí-SP, morei até os 33 anos em São Caetano.
Era ouvinte assíduo da 97 FM. Lembro-me dos shows de Rock e MPB (sim, a 97 FM tocou MPB nos anos 80)promovidos pela emissora muitas vezes no Meninos Futebol Clube.
Lembro-me da Legião Urbana, em começo de carreira, divulgando seu primeiro disco, do show do Lô Borges (este eu fui) e do Raul Seixas, que não compareceu e a galera depredou a casa de shows.
Uma pena tudo isto ter acabado.

willian disse...

Rolando Marques era o locutor dos prefixos da Grande ABC FM ? Se foi , me entristece muito , pois daqui de São Vicente ouvia a emissora e gostava muito da impostação de voz dele .

Isolino Coimbra de Oliveira disse...

A saudade dessas emissoras fervilharam meus pensamentos. ABC: região de minhas reminiscências nos idos anos da década de cinqüenta e sessenta, quando trabalhei como sonoplasta e operador nos projetores do cine Utinga. Obrigado a quem me enviou este blog. Recordei-me e me senti feliz. "Tudo dentro do vidrinho"!

Isolino Coimbra de Oliveira disse...

A saudade dessas emissoras fervilharam meus pensamentos. ABC: região de minhas reminiscências nos idos anos da década de cinqüenta e sessenta, quando trabalhei como sonoplasta e operador nos projetores do cine Utinga. Obrigado a quem me enviou este blog. Recordei-me e me senti feliz. "Tudo dentro do vidrinho"!

Mauro de Lima disse...

Trabalhei durante 7 anos na Rádio Cacique de São Caetano do Sul como sonoplasta e Técnico de audio fui sonoplasta do programa da Dupla sertaneja Tonico e Tinoco,Darcio Arruda Prog.Discotec e muitos outros,sai no ano 1979 para trabalhar na Rádio Globo de SP,onde permaneço até hoje trabalhando,neste ano vou completar 36 anos de serviços prestados para o Sistema Globo de Rádio como Supervisor Técnico de externas,sou o Radialista do Grande ABC de todos os tempos que já viajou o mundo inteiro cobrindo Copas do Mundo,Formula 1,Copa Libertadores e grandes Shows Musicais.

Roberto Rodrigues disse...

Você cometeu um engano ao afirmar que a Rádio Independência de São Bernardo foi a pioneira da região, não foi. A primeira emissora da região foi a Rádio Clube de Santo André e logo depois a Rádio Emissora ABC, ambas foram inauguradas QUATRO anos antes da Independência, em 1953.