segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Foi um rio que passou em minha vida

Aproveitando o “gancho” de um excelente texto, publicado em um blog que costumo acompanhar (http://www.blogdogiesbrecht.blogspot.com), pergunto aos São-Bernardenses e aos habitantes e naturais do ABC: Você sabe o nome daquele córrego, riacho, ou pequeno curso d´agua que corta o seu bairro? Provavelmente não!

No início do povoamento de nossa região, estes cursos d´agua eram fundamentais para o desenvolvimento das cidades e vilas, pois era deles que vinha a água que provinha a subsistência do local. E com São Bernardo, não foi diferente.

Desde os tempos de João Ramalho e de sua histórica vila, embrião da cidade que conhecemos hoje, estes cursos d´agua eram procurados para dar suporte aos povoados que iam surgindo. Até hoje, não se sabe a localização exata da vila, mas em todos os locais cogitados, a maioria deles por Teodoro Sampaio e por Affonso de Taunay, a vila se encontrava perto de um destes cursos. Guapituba, Meninos, Carapetuba. Ao longo destes, muito provavelmente, estava a vila que deu origem à todas as cidades do ABC e à capital.

O Guapituba, está em Mauá, é um dos tributários do Rio Tamanduateí, que nasce na mesma cidade, e corre entre as largas pistas da Avenida dos Estados. (em S.Paulo, o nome muda para Av.Francisco Mesquita e para Rua São Raimundo antes de tomar o nome de Avenida do Estado).

Já o Ribeirão dos Meninos, que segundo alguns teve o seu nome trocado, nasce nas proximidades do Jardim Silvina, passa pelas margens da Via Anchieta, até entrar embaixo da Avenida Brigadeiro Faria Lima, no Centro. Ali, ele corre “soterrado”, passando por baixo do Paço Municipal, pela Avenida Aldino Pinotti, de construção recente, até encontrar o Córrego Taioca. Daí em diante, este, que é o curso d´agua que deu origem à São Bernardo faz a divisa da cidade com Santo André e São Caetano, até desaguar no Rio Tamanduateí, nos limites de São Caetano com São Paulo. Ali, os monges beneditinos estabeleceram olarias, que foram a base da economia de São Caetano por longos anos. O mesmo rio, teve o seu vale usado para a abertura do Caminho do Mar, e posteriormente da velha Estrada do Vergueiro, além de também ter dado origem ao Bairro dos Meninos, posteriormente chamado de Rudge Ramos.

O Carapetuba, está no meio da Avenida Ramiro Colleoni (continuação da Avenida Pereira Barreto) na atual Santo André. É o rio que faz uma curva (subterrânea) em frente ao Shopping ABC, debaixo do corredor de tróleibus.

Já o Ribeirão dos Couros, nasce no Bairro Assunção, e corre pelo meio da Avenida Robert Kennedy. Depois do cruzamento com a Avenida Piraporinha, ele faz as divisas de São Bernardo com Diadema e com o Município de São Paulo, passando pelos bairros Jordanópolis, Paulicéia, e Taboão, até desaguar no Ribeirão dos Meninos, na tríplice divisa entre S.Bernardo, S.Caetano e São Paulo. É ele que provoca as enchentes nas pistas da Via Anchieta, e na fábrica da Mercedes Benz do Brasil, fechado em canaletas de concreto, e totalmente assoreado, uma chuva de verão é o suficiente para que o rio devolva à cidade o que a cidade faz com ele.

Temos também o Córrego Saracantan. Imagina onde ele se encontra? Ele nasce nos morros da atual Vila São Pedro, corre por galerias, e entra pelo meio da Avenida Pery Ronchetti, desembocando no Ribeirão dos Meninos debaixo do Paço Municipal. E Depois tem gente que não sabe porque o Centro da cidade inunda!

Temos também os rios Pequeno e Grande, que hoje são represados e formam a Represa Billings, mas que já foram rios no mais absoluto sentido da palavra. A Inundação causada pelo represamento deles, “freou” (ainda bem) o avanço do município em direção à Serra do Mar. O que ainda hoje se entende como Zona Rural de São Bernardo do Campo, só existe graças à barreira imposta pela represa a mancha urbana da cidade.

A Verdade, é que praticamente todos os rios, córregos, ribeirões e demais cursos d´agua da cidade, foram totalmente encurralados, ou simplesmente “escondidos”. Debaixo de avenidas como a Faria Lima, jaz um verdadeiro esgoto fétido, com suas galerias tomadas por sofás, pneus, e lixo de toda a sorte. Quando a prefeitura diz que fará obras no córrego “fulano”, a primeira pergunta de um cidadão que lê a notícia é “mas aonde fica esse córrego?” e o córrego pode passar no bairro em que este cidadão vive...

Taioca, Chrysler, Meninos, Couros, Pindorama, Capivari, Saracantan, Água Mineral, Borda do Campo, Araçatuba, Guapiú (nome anterior ao Bairro dos Meninos, que designava o atual Rudge Ramos, está canalizado sob a Avenida Bispo César Dacorso Filho), Canhema, Camargo, Feita, Jurubatuba, Ourives, Taboão, Lima, Palmeiras... Que seja feita justiça à memória deles, que ontem deram origem a cidade, e hoje, estão poluídos, debaixo de lajes, escondidos da população.

4 comentários:

shibalbi disse...

olá Thiago,
sou também de SBC, assim como vc, não de nascença,mas de coração.
Pesquisando sobre o nome do meu bairro - Saracantan - cheguei até seu blog. Sugiro para ilustrar mais um pouco a história da nossa querida cidade, um link de um vídeo do Youtube, que vc tbém pode encontrar em meu blog. É sobre a letra da música do Ggrande compositor Chico Buarque, que foi composta na época em que fervia, em São Bernardo do Campo, algumas das principais questões políticas brasileiras.
Ah! adorei a sua idéia em construir um blog com a memória de SBC, já me increvi como seguidora.
Parabéns!
o link do meu blog:
http://euaprocurademim.blogspot.com/2008/08/sbc-parabns-pelos-455-anos.html#links

Thiago Teixeira disse...

Shibalbi;

Conheço o vídeo, foi eu quem editou e tirou quase todas as fotos. =)

Grato pela visita!

Freire disse...

Prezado Thiago:

Meus sinceros parabéns por este seu blog, pelo assunto e os temas abordados de modo geral.
Também sou paulistano - apenas "de nascimento" - sou sãobernardense desde os dois dias de idade, portanto - SOU SÃOBERNARDENSE - e só!

Quanto a este post, abordando o tema "rios"... mais uma vez, meus parabéns!
Aprecio imensamente ver alguém que, como eu, se preocupa com a valorização da nossa tão sofrida água - bem natural de primeiríssima necessidade e de precaríssima atenção de nossas autoridades em todas as suas instâncias...

Nomear, conhecer os nomes e identificar nossos rios, cursos d'água em geral é uma das primeiras medidas para a valorização e o reconhecimento que estes elementos da natureza sejam melhor tratados e respeitados, como fontes de vida e de regeneração nos meios urbanos.

Li seu post sobre Tereza Delta - também primoroso!
Faço votos que se mantenha atualizado e perene com seu interessante blog.
Abraços!

R. Freire - São Bernardo do Campo - SP.

Felipe Di Natale disse...

Parabéns pela abordagem, você acredita na recuperação dia rios?